Ilusões, desilusões e responsabilidades

Foi com preocupação que assisti na passada terça-feira, durante uma surpreendente assembleia de Freguesia de Avintes, ao anúncio oficial por parte do Presidente da Junta, Dr. Nuno Oliveira, de que devido a uma (quase certa) alteração da lei, poderá ser impedido de ocupar em simultâneo o lugar de Presidente da Junta com o de Administrador do Parque Biológico e se essa alteração da lei vier a ser definitivamente aprovada e publicada em Diário da República o Dr. Nuno Oliveira optará pelo Parque em detrimento da Junta!

 

É que estamos apenas a meio do mandato (2009-2013) do Executivo da Junta de Avintes, de maioria PSD/CDS.

 

Gostaria por isso de aqui recordar que logo após o anúncio da disponibilidade do Dr. Nuno Oliveira, para uma recandidatura à Junta de Freguesia de Avintes, feita em Abril de 2009 ao Jornal Notícias de Avintes, manifestei as minhas dúvidas quanto à verdadeira possibilidade do Dr. Nuno Oliveira para ser Presidente da Junta de Avintes.

 

Depois disso e já mais em cima do ato eleitoral, também o Partido Socialista através de um panfleto eleitoral alertou os Avintenses para a existência de incompatibilidades legais que impediam que o cargo de Presidente da Junta de Avintes fosse ocupado por alguém que fosse simultaneamente Administrador Executivo de uma empresa municipal.

 

A maioria dos Avintenses, pouco ou nada se preocupou com isso, e a coligação PSD/CDS ganhou as eleições para a Junta de Avintes, mas para honrar o seu compromisso com os Avintenses, o Dr. Nuno Oliveira foi obrigado oficialmente (que não realmente, pois continuou a ter a mesma actividade e funções) a ser apenas Administrador NÃO-Executivo do Parque Biológico.

 

Convínhamos que foi uma solução que classificámos de “hábil e criativa” de contornar a lei (bem á maneira portuguesa), mas que na altura permitiu que o Dr. Nuno Oliveira tomasse posse e ocupasse o cargo de Presidente da Junta e de Deputado Municipal e se mantivesse igualmente como Administrador do Parque Biológico.

 

Agora, embora entendamos perfeitamente a opção que o Dr. Nuno terá eventualmente de vir a tomar, pois tendo dedicado os últimos 25 anos da sua vida profissional ao Parque Biológico, não seria fácil deixar tudo para ficar apenas a tratar dos “problemas” dos Avintenses, tememos no entanto pelo que possa acontecer, à Junta de Freguesia de Avintes.

 

E que já vão longe os tempos da euforia, que esta maioria PSD/CDS, criou nos Avintenses!

 

Depois uma campanha eleitoral um tanto ao quanto demagógica e populista, onde quase tudo valeu, desde cerimónias públicas com a presença do Sr. Presidente da Câmara e do Pároco de Avintes, poucos dias antes eleições onde se prometeram sedes para as colectividades sem se saber em que dia as podem ir ocupar, e ainda obras de reabilitação do teatro Almeida e Sousa, com um programa do QREN que já tinha terminado, ou mesmo com espetáculos com entrada grátis em pleno Parque Biológico, tudo serviu para iludir os Avintenses.

 

A juntar a isto houve ainda um programa eleitoral, que prometeu desde uma cooperativa para a regeneração urbana de Avintes, intitulada Avintes Nova, e continuando com o turismo sénior para idosos com passeios temáticos, com a sede em Avintes do plano estratégico do Parque Natural do Estuário do Douro, com uma intervenção imediata no Areinho, o Parque de Lazer na Mesquita, a construção dos pavilhões desportivos e piscina, os parques de estacionamento na Gândara e Igreja, o plano rodoviário com novas acessibilidades, o Festival Nacional de Teatro Amador, o programa de incentivo e valorização dos produtos locais, etc., etc.

 

Tudo isto como para que, como está escrito no programa eleitoral do PSD/CDS, “Avintes entre numa época de desenvolvimento”.

 

Mas convém igualmente recordar que logo no dia da tomada de posse, as coisas resfriaram, como o Sr. Presidente a avisar que “cuidado que as expectativas estão demasiado altas”!

 

Pois é, mas como diz o Povo, “quanto mais alto se sobe maior é a queda” e rapidamente esta maioria e este Executivo, começou a desiludir e a não ter capacidade de dar respostas aos anseios e às ilusões que criaram aos Avintenses.

 

Se nos primeiros meses, ainda foi possível manter o estado de graça, com a feliz coincidência do início da construção da rotunda, que nada teve que ver com a Junta, no cruzamento dos Pinhais Bastos, ou o começo das obras no Largo da Gândara, só para mostrar serviço, mas sem saber o que se iria verdadeiramente fazer, acabando por se perder uma oportunidade de se reabilitar um espaço nobre de Avintes com a dignidade que os Avintenses mereciam e que a Câmara tem feito noutras freguesias.

 

No seio do Executivo e da maioria começaram algum tempo depois, igualmente as divisões, que podemos sem receio falar delas, pois foram e são públicas e são os próprios que não as escondem e que provavelmente levaram à demissão da Vogal a três semanas do início da Festa da Broa (diga-se aqui, em razão da verdade, talvez das poucas iniciativas da Junta que efectivamente foram capazes de cumprirem com o que prometeram, melhorando-a significativamente), numa altura em que o Executivo mais trabalho tinha, numa atitude, que salvo razões que desconheço, demonstra pouca responsabilidade para quem ocupa cargos de serviço público.

 

Seguiram-se 2 meses de um certo impasse na Junta, que obrigaram à necessidade da renúncia de uma eleita do CDS e “ir buscar” um membro não eleito do mesmo partido mas aparentemente da confiança do Presidente da Junta.

 

Só que quando tudo parecia que ficaria resolvido, deu-se algo aparentemente incompreensível, na passada terça-feira!

 

Numa provável demonstração de desagrado para com a escolha feita pelo  Presidente da Junta, e aproveitando o facto de a eleição do novo vogal ser por voto secreto, os membros da maioria PSD/CDS (7 eleitos no total de 13) não se entendem e o Presidente da Junta apesar de ter a maioria absoluta perde a votação com apenas 5 votos a favor e 8 contra.

 

É pois neste ambiente de descrédito perante os avintenses, mas também incapazes de assumirem as responsabilidades que os Avintenses neles depositaram, que está a funcionar a actual maioria, numa total de desunião entre si e de falta solidariedade para com o Presidente da Junta.

 

Perante tudo isto (Presidente com possibilidade de se ir embora e membros da maioria PSD/CDS totalmente desunidos) qualquer avintense responsável terá de recear pelo futuro da Junta de Freguesia de Avintes.

 

Pela minha parte e pela parte dos restantes membros eleitos do PS queremos deixar claro, que não será por nós, que tudo aquilo que a maioria PSD/CDS prometeu aos Avintenses não será concretizado, bem pelo contrário, estamos disponíveis para com todos os que estejam de boa vontade, contribuirmos com a nossa voz e com o nosso empenho para defender os interesses dos Avintenses e lutarmos por aquilo a que temos direito e nos prometeram.

 

Podem disso os Avintenses estar seguros e seja quem for que venha assumir a Presidência da Junta de Avintes ficar descansado, mas naturalmente é fundamental que os membros da maioria PSD/CDS saibam assumir as suas responsabilidades.

publicado por Cip Castro às 00:37 | comentar | favorito