Ano Novo, Vida Nova?

Ano novo, vida nova é um ditado popular, muito usado nesta altura do ano, mas também sempre que alguém ou alguma “coisa” quer expressar que vai iniciar uma nova fase.

 

Em Avintes, precisamente no final do ano civil de 2011, após 2 anos e 2 meses de ter tomado posse, mais de um mês após publicação da lei nº 55/2011 de 15 de Novembro de 2011 em Dário da República e ainda depois da recolha de parecer na CCDR-N, o dr. Nuno Oliveira decidiu que não podia continuar a acumular o cargo de Presidente da Junta de Avintes e de Vice-Presidente da empresa municipal Águas e Parque Biológico.

 

Perante esta decisão, teve de tomar outra decisão, deixar o Parque e permanecer na Junta de Avintes, ou deixar a Junta e permanecer no Parque Biológico.

 

Tendo optado por deixar a Junta de Avintes, ainda teve de tomar uma terceira de decisão, renunciar definitivamente ou apenas suspender o cargo de Presidente da Junta.

 

Ora é precisamente esta terceira decisão, que na minha opinião, é a menos natural e que me levanta mais interrogações e me deixa algo perplexo.

 

Na verdade se as duas primeiras decisões do Dr. Nuno são perfeitamente compreensíveis, a nova lei obriga-o a optar por um dos cargos e sendo o principal responsável do Parque Biológico desde a sua fundação há 25 anos, é natural (tal e qual foram os Avintenses avisados antes das eleições) que tenha optado pelo Parque em detrimento de Avintes, já a terceira decisão de apenas suspender o cargo de Presidente da Junta de Avintes e não renunciar, levanta-me muitas dúvidas sobre o entendimento e a confiança que o Dr. Nuno terá quanto à capacidade do novo Presidente de Junta, Sr. Vieira dos Santos e dos restantes elementos da maioria PSD/CDS, em conseguirem “dar conta do recado”.

 

O Dr. Nuno ao decidir não renunciar, faz do Sr. Vieira dos Santos, um Presidente a prazo, correndo sempre o risco de hoje ser o Presidente, mas amanhã já não o ser, já que durante os próximos 365 dias, o Dr. Nuno continua a ser Presidente a Junta apenas com o cargo suspenso e pode regressar à Junta de Avintes a qualquer momento, tornando por isso muito limitadas as decisões que como Presidente o Sr. Vieira dos Santos tomar, dado que de um dia para o outro, podem-lhe retirar o “tapete”.

 

Ao contrário se a decisão tivesse sido a renúncia, o Sr. Vieira dos Santos seria o Presidente da Junta de Avintes até ao final do mandato, tendo 2 anos para fazer o seu trabalho e tomar as decisões, sem receio de a qualquer momento ter de sair.

 

Apenas com o mandato suspenso, como o Dr. Nuno Oliveira como não deixou definitivamente ainda de ser Presidente da Junta de Avintes, são várias as situações que lhe possibilitarão regressar à presidência da Junta de Freguesia.

 

Pode o Dr. Nuno por decisão pessoal, por exemplo, suspender ou até mesmo renunciar ao seu cargo de Vice-Presidente das Águas e Parque Biológico, pode por decisão da Câmara de Gaia, haver mais fusões de empresas municipais, como aconteceu em 2010 e o Dr. Nuno deixar de se administrador, ou até, outro exemplo, pode o Dr. Filipe Menezes, para mais facilmente concorrer à Câmara Municipal do Porto, optar por ele próprio suspender ou renunciar ao cargo em Gaia, e quem o substituir na Presidência da Câmara de Gaia, decidir fazer alterações nas administrações das empresas municipais, etc.

 

Ora, com todos estes cenários possíveis, o Presidente Vieira do Santos e a sua equipa, que ainda se desconhece qual é, mas que julgo será formada nos próximos dias, serão sempre uma equipa a prazo, como que estando à experiência e a ser testada!

 

Perante isto, pergunto eu, porque decidiu o Dr. Nuno desta maneira?

 

Será que não confia nas capacidades do seu nº 2 e nos restantes companheiros?

 

Será que, havendo já divisões nos eleitos da maioria PSD/CDS, que não conseguiram entender-se ainda recentemente para substituir a vogal demissionária, o Dr. Nuno teme que sem ele a Presidente, a situação se agrave e a Junta fique ingovernável?

 

Será apenas um capricho e uma teimosia do Dr. Nuno?

 

São tudo dúvidas que me assolam e me preocupam, pois como Avintense, custou-me ver na última Assembleia de Freguesia, uma Junta de Freguesia amorfa e um novo Presidente da Junta pouco convicto e aparentemente sem ideias para o futuro, ainda para mais, numa altura em que se debate e vai realizar a reforma administrativa do país e a Freguesia de Avintes, para se afirmar no concelho, como uma freguesia com argumentos e com razões para continuar independente, precisa de gente com capacidade de liderança, firme e ambiciosa quanto ao futuro, para lutar pelo desenvolvimento e pelo progresso da nossa Vila de Avintes.

 

Avintes precisa e merece, Ano Novo, Vida Nova!

publicado por Cip Castro às 18:23 | comentar | favorito